sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Sobre argumentar com ou sem roupa

Está todo mundo falando e aí eu resolvi falar também. Aquela propaganda da Modelo Giselle sabe?. Em que ela mostra formas de contar uma história trágica para o marido com roupa e depois só de calcinha e sutiã. Eu achei de muito mau gosto. Aliás ela tem dado altas bolas foras, porque tinha outra da Sky, em que ela aparecia de joelhos limpando a casa, enquanto o marido via TV e pedia cerveja. Alô gente?. O que está acontecendo?.
Eu não sou feminista. Acho que há o papel do homem e o papel da mulher na sociedade. Acredito que deva existir os tais direitos iguais, mas sou contra o exagero. Posso estar errada, mas não acho ruim ter que lavar, passar e cozinhar, enquanto marido trabalhe fora. Mas também gosto do meu trabalho e de minhas conquistas.
O equilíbrio é o mais importante né?. Agora a ridicularização é o que me deixa muito estressada. Quando vi a propaganda, perguntei ao marido se eu era deste tipo de mulher que só conseguia argumentar ao tirar a roupa e ele me garantiu que não. Que sou uma mulher que sabe conversar e se expressar, mesmo para dar notícias ruins. Fiquei aliviada né?. Porque ver a Giselle se submeter àquilo, me deixou com a pulga atrás da orelha.
Que bom que existam por aí mulheres normais. Que consigam trabalhar, cuidar da casa, cuidar dos filhos, ser boas esposas e ser mulher. Tudo ao mesmo tempo. É pesado?. Sim, é. Mas não é o fim do mundo. Se eu gostaria de só ficar em casa cuidando de tudo, sabe, eu não me importaria não. Mas se é para trabalhar e ser tudo junto e misturado, então que seja de forma digna, com a possibilidade de expressão, sem a pornografia, sem que o machismo impere e sem o medo de assumir o que realmente somos.
E você o que pensa sobre a propaganda da Hope?.
Beijos e beijos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Me ajude a ser melhor!

Semana 01 de 2018 - Insegurança

E chegamos finalmente em 2018. Meu réveillon foi muito bom. Tive uma crise interna quando cheguei na festa, meio que me achei feia (sim, é ...