sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Então é Natal!

Agora sim, Natal de 2015. Sou dessas que comemora o dia certo de cada coisa. Sou apegada à datas, embora diga que não. Então se Natal é dia 25, ele não é dia 24, embora a desculpa seja esperar a meia noite.
E como rola todo ano, é dia de clichê, de mandar mensagens de feliz isso, desejos positivos de um monte de coisas. E no meu caso é um dia absolutamente normal, onde como em quase todos os dias, faço uma reflexão. 
Mas hoje a reflexão é pelo ano inteiro. Como vocês verão semana que vem em minha retrospectiva, um ano muito foda, e como eu uso essa palavra para quase tudo, diria que ele foi foda em sentidos + e -.
O que eu aprendi esse ano, afinal?

- Que eu tenho uma boca enorme, uma língua gigante e que desta forma eu ainda vou me dar muito mal;
- Que eu falo palavrão demais e preciso urgentemente mudar isso, já estou envergonhando pessoas que me amam;
- Que eu preciso parar de depender das pessoas, seja para ser feliz, seja até para sofrer;
- Que eu até sou uma Secretária bacana, educada, mas meu potencial para pagar micos é infinitamente maior que minha capacidade de acertar, principalmente de primeira;
- Que sou uma ótima Cerimonialista, faltando muito pouco para que eu faça um casamento 98%;
- Que eu sou uma amiga bacana, mas que preciso melhorar muito;
- Que sou uma filha disponível, mas um pouco impaciente;
- Que sou uma irmã legal, mas longe de ser a melhor;
- Que continuo amando dançar a noite toda, mas que prefiro trabalhar;
- Que TCC é um inferno astral eterno, o que me fez pensar que para o próximo ano irei investir mais em meu lado casamenteiro;
- Que eu sinto falta de um companheiro diário, mas que não sei mais o que é amar, não consigo perceber os sinais e no fim das contas dou muitos foras e me envolvo com pessoas nada a ver comigo;
- Que quanto mais casamentos vejo, menos quero casar. Mas quero ter alguém. Alguém que não queira casar, queria somar; 
- Que eu acredito muito pouco em mim; 
- Que eu crio laços muito fácil com amigos e que sempre por conta do meu lado "eu acredito", acabo ouvindo coisas que me desagradam e me magoam;
- Que meu nível de stress é alto, mas administro bem isso chorando;
- Que eu preciso chorar menos e rir mais.

Aprendi principalmente que nada é para sempre: nem o amor, nem os amigos, nem a dor, nem a tristeza, nem o ódio, o rancor, o desânimo, a preguiça...
Aprendi que algumas coisas são sim para sempre: o amor verdadeiro, a amizade verdadeira, o sentimento verdadeiro, o respeito, o carinho, a lealdade, a esperança e a fé...

E que neste Natal eu renove o que há de melhor em mim. Que eu silencie, fale menos, escute mais, reze mais, ponha o joelho no chão mais vezes, agradeça mais, reclame menos ou nunca. Que eu haja com mais sabedoria, paciência, humildade, serenidade, confiança, gratidão, doação e que nada me afaste de Deus e que através Dele eu alcance meus objetivos mais profundos.
E que você que leia este texto sinta-se abraçado pelos meus 1,55. Saiba que te conhecendo ou não, sempre terei uma palavra de minha oração para você! Que seu novo ano seja mágico, sincero e feliz!

Feliz Natal! todos os dias!

10 anos. A pausa.

sexta-feira, 13 de abril de 2007 Novo blog...............aff Sério..........essas formalidades da informática me irritam. havia...