segunda-feira, 23 de abril de 2018

Casamento Jeff e Carol - 21/04/2018

Se eu soubesse que 2018 seria tão emocionante e feliz, eu teria reclamado menos do pé na bunda que levei depois do Carnaval. 
Pois é. Assim começo meu texto de agradecimento pelo meu fim de semana. Fim de semana em Belém para dois momentos muito importantes. 
Dia 21 de abril o casamento do meu amigo, Jefferson com a doce Ana Carolina. Que casamento fofo, delicado, especial e de um encanto. Cheguei na madrugada de sábado e do hotel fui para a casa de uma tia do Jeff. Aliás, para que saibam da importância disso pra mim, ele é irmão da Geysa, que vem a ser minha chefe na empresa de eventos Eficace e uma grande parceira de vida. Como ajudei no casamento dela, me senti muito honrada quando me convidaram pro do Jeff e consequentemente ajudei no casamento também. Inclusive fiquei com a Carol no hotel e tive a sorte de vestir seu lindo vestido de noiva. 
Eu adorei tudo sabe? Gosto de casamentos onde todo mundo está comprometido, não só quem ajuda no dia, mas todos. É importante para os noivos que os convidados estejam no evento e não apenas por obrigação, sabe como é isso? Eu de minha parte me joguei mesmo, com direito a coreografia especial para os noivos, claro, se teve dancinha no da Geysa né? O DJ teve o disparate de me desafiar muitas vezes e me disse: por mim tocaria a noite inteira só para te ver dançar. Para tudo né? 
Jefferson e Ana Carolina, como disse em algumas postagens no Instagram, casar, casamento, juntar, amigar, tudo isso é bom demais. A vida à dois é uma delícia, principalmente quando é amor verdadeiro como o caso de vocês. Isso é perceptível, a gente sente o quanto vocês serão felizes. Eu agradeço demais por estar ali naquele momento do sim e de ter passado uma dia com a família de vocês. Adorei cada um que me acolheu como se fosse da família e o que eu posso desejar é poder voltar logo e conhecer um pouco mais da cidade.
À vocês dois, desejo um infinidade de amor, carinho, respeito, fidelidade e lealdade. Que este 21 de abril se repita em seus corações todos os dias, mesmo que em algum momento vocês queiram desistir. Lutem, superem e prosperem.
Eu estou por aqui. Sempre que precisarem.
Geysa, óbvio que não poderia descrever este fim de semana sem lembrar de suas lágrimas em nossa despedida onde me disse que tinha muito orgulho de mim. Obrigada por me dar chances incríveis de felicidade. Obrigada por ter acreditado em mim em vários momentos. E eu não preciso mais ficar falando que estou contigo e não abro. Confesso aqui que quando ouvi certa vez que se você soubesse quem eu sou eu nunca mais trabalharia para você, eu gelei. Não porque eu ache que quem eu sou seja tão ruim, mas imaginar que posso perder sua amizade e a oportunidade de realizar sonhos contigo me enche o coração de pânico. E você é muito importante para mim, o que eu puder fazer para te ver no topo sem  te decepcionar, eu farei.

Agora sobre o dia 22 escreverei em outro post. Aqui fica o registro de como eu amei conhecer Belém, cidade quente de gente quente, acolhedora, sincera e que te abre a casa, o coração e a vida sem esperar nada em troca. Jeff e Carol, aguardamos os filhos em? hahaha Geysa e Will, um beijo sincero.


terça-feira, 17 de abril de 2018

1ª Palestra de 2018.

Ontem 16 de abril foi um dia bem intenso e tenso. Mas aí chegou a noite e eu tive uma mudança de humor e pensamentos. Entrei emburrada e saí com uma vontade de gritar de felicidade. 
Participei da Jornada Acadêmica da UNIP e de presente assisti uma palestra incrível com a Claudia Schaffer, que é nada mais nada menos que Secretária da Presidência e Vice-Presidência da Rede TV (alô Luciana!!).
O tema: Assessoria de uma carreira constante a um sucesso brilhante. 
Mas para mim foi muito mais do que falar sobre a profissão de Secretariado Executivo. As palavras da Claudia me deram uma sacudida na alma. Percebi ali quão perdida eu estava em pensamentos negativos, preguiça, desmotivação e principalmente, me perdi por algo que eu sempre fui contra: coração. Não me alongando neste tema especificamente, mas perdi um bom tempo na tentativa de conquista de uma pessoa que no fim das contas me fez muito mal.
Mas voltando à palestra, simplesmente foi incrível. Eu já fui em palestras sobre este tema muitas vezes, mas tocada no coração eu fui ontem. Eu precisava estar ali. Eu precisava sentir e me entender, me resgatar.
E para fechar com chave de ouro fui reconhecida ao fim da palestra pela Aida Cruz, leitora antiga do blog e que agora me segue no insta. Mas ela me disse isso. Ela veio e me disse que me acompanha, que me segue, que lê o que eu escrevo. Caramba, pense numa pessoa que foi chorando emocionadíssima para a parada. 
E para me tornar uma pessoa mais grata, minha linda amiga Betânia, do Comitê de Secretariado,  me diz hoje pela manhã que eu fui o primeiro blog que ela leu quando chegou em Brasília.
Simples. Eu tenho tudo para dar certo. E Deus me coloca em situações muito pertinentes que me demonstram que eu não posso desistir. E eu não irei.
Agradeço ao Comitê de Secretariado Executivo do DF pela sempre paciente e carinhosa ajuda em alguns momentos mega tensos de minha vida. 
Agradeço à Claudia Schaffer pelas palavras sinceras e dicas que me caíram como uma luva. Espero que mais pessoas tenham sido tocadas pela força de sua história, de suas opiniões e presença na vida. Pessoas como ela com certeza merecem mais e mais bençãos.
E agradeço à você Aida, à você Betânia e à você que me acompanha na vida. Estou de volta, mais firme do que antes. Graças a Deus o que eu passei nos últimos 9 meses não me fará jamais me entregar. 




sexta-feira, 13 de abril de 2018

11 anos do Bolshaia!!!

Hoje, sexta-feira 13, comemoro 11 anos de blog. Meu primeiro texto, inclusive, para quem não sabe, foi escrito em uma Sexta-feira 13. 
Voltando no tempo: Eu tinha 23 anos, namorava o Saulo, fazia 2 estágios, faculdade, vendia roupa aos finais de semana e dava aula de russo. Estava no auge da anorexia, sem cabelo, sem unha e cinza. 
Gosto de olhar para trás. Não para remoer meus sofrimentos e decepções, mas para agradecer. Para me incentivar, me ajustar ao novo, acreditar.
São 11 anos onde realmente muita coisa mudou, não somente fisicamente, mas principalmente por dentro. Há 11 anos eu era muito mais segura de mim, mesmo com todo o balaio de gato no qual eu estava vivendo, confuso e depressivo. Eu tinha uma força inabalável e isso era com certeza o melhor de mim.
11 anos depois, me deparo com uma situação pessoal que me tirou as forças. Que me mostrou o quanto sou imatura, frágil e egoísta, o que sugere que eu preciso de muita porrada ainda para evoluir. Desde meu retorno do Carnaval que eu venho lentamente me recuperando do que eu tenho certeza que foi o meu maior golpe nas costas da vida, mas que naturalmente não me destruiu. Apenas me colocou num novo eixo, com novas observações sobre o que realmente importa. 
E o ano vai passando. Temos mais de 100 dias vividos e mais uns 200 para viver. E eu desejo que a confiança, a coragem, a vontade e a luta sejam base para que cada um de nós superemos seja lá o quê for.
Definindo em uma palavra o que são estes 11 anos do Bolshaia, eu diria exatamente isso: SUPERAÇÃO. Posso não ter superado nada grandioso, como uma doença grave, um acidente, mas eu tenho certeza que as pequenas vitórias também merecem ser valorizadas.

Obrigada a cada um que eventualmente lê um texto meu e até agradeço a quem não lê e ainda me critica. Agradeço a quem lê e acha um monte de baboseira, muro das lamentações... 
Eu escrevo. 
Por mim. 

Beijos de luz!

quinta-feira, 29 de março de 2018

3.4

Cheguei aos 34 anos. Graças a Deus de forma gostosa e cheia de sorrisos e muita cerveja. Ganhei muitos afagos, abraços, presentes e orações. 
Comemorei em 4 etapas e em cada uma delas pessoas muito queridas e até quem eu nunca imaginaria, foram me prestigiar. Pessoas que eu sinto que me amam de graça e não esperam nada em troca. Me senti acolhida, me senti especial.
Agradeço por cada mensagem de todos os tipos. Agradeço quem à distância me mandou felicitações. Agradeço inclusive a quem não me deu parabéns.
E agradeço a Deus por mais um ano de vida. Não tenho nada a pedir. Até tenho, mas sei que somente Ele sabe o quê é melhor para mim. Então eu quero confiar. Eu quero acreditar que efetivamente vai dar tudo certo. Se eu cheguei até aqui, eu posso ir longe. 
E quem quiser me acompanhar nessa loucura que é viver, conte comigo. Na alegria ou não, eu tenho certeza que vale a pena.

Um beijo carinhoso!

domingo, 18 de março de 2018

É preciso estar atento e forte.

Esta semana faleceu um amigo do meu pai. Não só mais um amigo que se foi, mas um amigo que em meus últimos meses em Moscou foi uma companhia constante e gostosa de meus pais. 
Foi uma semana muito pesada né? O mundo segue ruim, a vida anda uma droga. Marielle assassinada. Anderson assassinado. Maria também. E a Joana que espera há dias um atendimento médico. E o João que foi estuprado pelo padrasto. A Alice que levou um murro do namorado. E a outra moça ali da esquina que não chegou ao seu destino porque algum imundo resolveu que era hora de matar. E o Seu Zé que teve seu estabelecimento assaltado só este mês duas vezes. E o Marcos que procura um emprego, mas sabe como é, não tem como, tem que ter experiência. 
Vou fazer aniversário em 10 dias. Hoje se me perguntar meus motivos para comemorar eu diria que apenas o fato de estar viva. Está absolutamente impossível de se ter esperança em um mundo melhor. Simplesmente não dá. Sobrevivemos e isso me incomoda. Vivemos em nossas próprias bolhas. Somos destroçados por palavras, atos e omissões. Parecemos zumbies coloridos, consumindo e jogando fora. Jogando fora o amor, o respeito e perdendo a cada minuto um pouco da dignidade que nos é de direito, na lei humana e na lei divina.
Hoje vivi mais um dia normal, porque é preciso seguir nossas rotinas. As contas não esperam comoção. E é preciso ser firme. Eu fraquejo as vezes, sou egoísta, reconheço. Olho apenas para meu umbigo porque eu tenho uma esperança sincera de que se eu resolver minhas crises poderei ter forças par ajudar ao próximo.
E é isso que desejo à você querido leitor: controle seus nervos e não desista de si e do outro. É preciso estar atento e forte. Antes que você apenas seja parte de alguma estatística medíocre. 

terça-feira, 13 de março de 2018

Conselho amoroso

Oi gente!! Estou aqui contando os dias para completar meus 34 anos, com o coração partido em mil pedaços, mas firme e forte como deve ser né?
Você que acompanha a minha vida amorosa sabe que ela nunca foi lá muito normal né? Estou muito acostumada inclusive a levar mais foras do que dar foras. É claro que existe um roteiro muito comum que a gente usa nessas horas, e até as frases são as mesmas. 
Mas eu queria dar um conselho para você, homem ou mulher (sou péssima nisso, mas neste tema eu sou expert): se é para terminar, diga alguma coisa. Por mais clichê que seja, tipo: o problema sou eu não você... ou tem também: senti que você queria algo a mais... ou até mesmo a mais cruel de todas: eu amo outra pessoa.
Mas termine. Independente do tempo que durar a relação. Eu já tive um namoro de 3 dias que o cara veio e terminou comigo. Olhe só, ele nem precisava se dar esse trabalho, mas foi lá e me explicou que eu era louca. hahaha
Mas termine. Será uma conversa cheia de dor e lágrimas. Talvez não também né? Tem gente super madura que leva isso numa boa.
Mas termine. Diga o que sente, o que não sente. Dar um retorno para o outro sabe? Porque não tem nada pior na vida amorosa do que você sentir um vazio pela falta de diálogo, pela falta de uma palavra que te conforte naquele momento complexo.
Termine. Porque o outro merece saber porque não deu certo, porque ela precisa até certo ponto se sentir confiante, para o caso de encontrar outra pessoa, e quem sabe até, não cometer os mesmos erros.
Não desapareça. Não ignore. Não trate o outro como se ele não tivesse valor. Não finja que nunca esteve com ela. Não seja ingrato. Afinal, independente do tempo, este tempo deve ter sido bom em algum momento. Valorize os pontos positivos do outro. Não faça com o outro o que você não gostaria que fizessem com você. 
Este conselho é de uma mulher que já atravessou longos desertos amorosos. De uma mulher que sofre sempre pelo amor não correspondido. E acima de tudo, de uma mulher com experiências muito dolorosas de desprezo, desrespeito e ingratidão. É triste você investir em um relacionamento, mesmo sabendo que o outro nunca vai te assumir, namorar, casar, seja lá que merda toda que poderia ter sido. Mas é ainda mais triste quando todo o investimento é ignorado em um nível absurdo. Doi você receber a notícia: olha estou namorando, mas pera aí: você por acaso teve uma conversa descente comigo? Que tipo de ser humano acha que sou? Você recebeu de mim carinho, dedicação e tempo. Por que não mereço seu mísero tempo para me dizer que não me quer mais? Por que me tratar como se eu tivesse apenas sido louca, chata...? E o que eu fiz de bom? Ou não fiz?
Desejo que neste dia de hoje e em todos os outros, você que leu este texto seja feliz. Se estiver em algum tipo de relacionamento, que seja ainda mais feliz. Mas se um dia achar que não quer mais estar no relacionamento, por pior que seja a pessoa e a relação, seja honesto e dê um fim. Um ponto final. Um fora, seja lá como se diz isso, mas diga algo. Pense que o mundo é cruel demais para a gente tratar o outro como se ele não tivesse sentimento.

Um super beijo! 

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Fevereiro termina...

Domingo, 25 de fevereiro. 2018 começou extremamente agitado, exigente e causador de pequenas dores em minha alma. Dois meses que eu sinto que vivi uma vida inteira.
Fevereiro teve muita farra, teve carnaval, mas teve também uma pequena dose de drama, porque se não não é a minha vida.
Teve reflexão, teve pontapé na bunda, chega pra lá, chacoalhada, cuspe na cara, soco no estômago. Teve respira fundo e não pira, vai passar, é só uma fase.
Mas não passou. Este fevereiro ficará para sempre em minha memória como sendo o mês onde eu fui do céu ao inferno, onde o que parecia ser não era e o que não era, era.
Os planos que não fiz tiveram que ser iniciados e o amor que poderia brotar, ficou lá aos pés de Iemanjá, que em sua sabedoria me disse que vai ficar tudo bem.
E eu acredito que ficará tudo bem. Porque a minha vida, a sua, a nossa é um eterno AA, onde você espera ansiosamente pela moedinha de superação. 
Março virá trazendo o meu aniversário e uma fé inabalável de que eu sou o que sou e posso melhorar.
Você vem comigo?

Casamento Jeff e Carol - 21/04/2018

Se eu soubesse que 2018 seria tão emocionante e feliz, eu teria reclamado menos do pé na bunda que levei depois do Carnaval.  Pois é. Ass...