sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

E ela completa 24 anos!

E hoje chegou mais um aniversário daquela por quem eu tenho o maior amor do mundo: Sobrinha Ratattoulie! 24 anos gente! Dá para acreditar nisso? 
E quando eu olho para trás, relembro muitas coisas especiais que vivemos, outras nem tanto, pois afinal, a vida nunca é só alegria né?
Penso no quanto passei a confiar nela em um nível absurdo, contanto coisas que ninguém sabe. Compartilho medos e anseios. 
E nesses últimos 4 ou 5 anos, a vi se transformar em uma mulher batalhadora, guerreira, mãe, esposa e dona de casa. E assim como eu, espero que eu até tenha influenciado, ela não desiste do que quer, sonha e gosta. E ela faz tudo pelo filho, pela família dela e por ela. 
Sei também que vez ou outra faço ou digo algo que ela não gosta e eu da minha parte aprendi que ela não é minha filha, e isso torna a relação mais leve, onde eu não a julgo e defendo infinitamente. Mas ao mesmo tempo, tenho um carinho muito especial por ela, carinho de mãe, preocupação e quero sempre estar presente, embora como adultas e com vidas tão agitadas, geralmente só façamos isso por telefone. 
Mas é assim que vamos construindo nossa relação, como todas as relações onde tem amor, conflituosas, mas cheia de carinho e respeito.
Obrigada Ratatoullie pelo cuidado comigo, por me ouvir, por guardar tantos segredos e confissões. Por me orientar, mesmo sendo mais nova do que eu. Por ser uma pessoa leve, corajosa, construidora de um mundo sem mimimi e frescurites. E acima de tudo, obrigada por ser minha querida sobrinha, que amo, admiro e quero sempre comigo, mesmo eu indo morar sei lá, na Rússia.
E que Deus te abençoe em um nível gigantesco e que sim, tudo que sonhes se torne mais que realidade.
Te amo muito. Feliz aniversário. 

Sobre morar sozinha

Estava dando umas voltas pela internet, esperando a hora de partir finalmente para minha casinha amada. Antes porém, pagar contas. O salário entra e junto vem um misto de: "uffa, superei mais um mês e fiquei sem dinheiro". E olha que definitivamente eu sou quase uma mão de vaca.
E muitas pessoas me perguntam como é morar sozinha. E só hoje eu li uns 4 textos sobre isso e claro, acaba que eu me pego pensando: vale a pena? 
Me pergunto isso porque sou a mais nova, divorciada, com pais com um pouco de idade, que tem um apartamento maravilhoso de 3 quartos e que inclusive, tem um quarto com a parede lilás. Era o meu quartinho, com banheiro e tudo. Quando eles compraram este apartamento, fizeram questão de um cantinho com a minha carinha. 
E eu decidi sair de casa com 24 anos para morar com uma amiga. Entre pensamentos de: ela é lésbica e ela é doida, muita gente realmente não acreditou que eu fosse aguentar. 
E cá estou eu. Antes de casar morei sozinha 9 meses e agora já se vão quase 2 morando realmente sozinha. E eu devo confessar que meu maior medo é sair desta condição, seja por problemas técnicos, seja por me casar novamente. Problemas técnicos eu diria uma doença, um desemprego ao ponto de não conseguir me manter, essas coisas.
Mas enquanto eu puder, sinceramente, não me vejo nem voltando a morar com meus pais, nem me casando novamente, nem muito menos dividindo um apartamento com alguém, amigo ou amiga. 
Não é simples, obviamente. Tem dias que eu penso: se eu não arrumar esta casa, vou comer pelo de gato. Se eu não levantar agora não terá nem padaria aberta. E tem dias que é tudo lindo, que eu compro minha cerveja, olho para minhas gatinhas e abençoo cada momento ali de alegria. 
Sou extremamente organizada, varro a casa todos os dias, cuido da areinha das meninas, sempre peço para uma amiga dar uma faxinada boa, o que eu tiro do lugar, recoloco. Não cozinho em casa, inclusive meu gás é da época em que eu era casada. Sempre guardo uma dinheirinho para as eventualidades. Tento pagar tudo em dia. E estou inclusive muito feliz porque o dono está querendo renovar o aluguel, pois ele diz que sou tão boa pagadora, que vale muito eu ficar lá. Fora que eu cuido do apartamento como se fosse minha casinha. Dia 27 irei dar uma reorganizada na casa para começar 2016 com tudo limpo e arejado. Peguei um certo abuso de decoração, mas estou com algumas ideias legais e sempre que isso acontece, gosto de colocar em prática.
Tem a questão de que morar de aluguel é dinheiro jogado fora. Eu já me desapeguei disso. Sou realmente sozinha, não pretendo ter filhos, não tenho herança para deixar, então enquanto eu puder, assim eu viverei. Se eu para isso tenha que viver em mais uns 15 apartamentos, tudo bem, porque eu gosto mesmo de renovação e de apartamentos bem pequenos, que é para eu não ter muito trabalho. Atualmente detesto perder tempo com faxina, já fiz muito isso ao longo de uns 10 anos seguidos.
Mas eu digo que essa condição de morar só não é para qualquer um. Não me acho diferente ou demais por isso, apenas acho que tem que ter muita coragem mesmo. Tem que ser leve, não se prender a nada, não ter essa vaidade toda, tem que ter noção de que nada vai se materializar, ficar arrumado sozinho e que lixo precisa do seu local. 
Morar sozinho é divertido. Fico de pijama o dia todo, recebo amigos e bebemos até as 06 da manhã,depois dormimos ali mesmo na sala, onde eu tenho não um sofá, mas um cama mesmo. E o bom é que eu não tenho nada que possa ser quebrado, não tenho frescura, mesmo tendo mania de limpeza. Lá em casa o pão cai no chão, Abigail lambe, depois venho com um pano e voilá. Adoro lavar louça mas faço isso lá em casa uma vez na semana. E não gasto quase nada com compras. O meu maior consumo é de areia para as Meninas e tira pelo. E pipoca com Sazon.
Pode não ser saudável. Posso sentir solidão vez ou outra. Mas sou muito feliz e grata por morar sozinha, por ter uma liberdade que eu sonhei durante toda a minha vida. Porque eu dizia já aos 5 anos que quando eu crescesse eu teria cabelo curto, muitas tatuagens e moraria sozinha.
Como ser infeliz realizando seus 3 maiores sonhos?


10 anos. A pausa.

sexta-feira, 13 de abril de 2007 Novo blog...............aff Sério..........essas formalidades da informática me irritam. havia...