quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Quem mexeu no meu queijo?

Ultimamente eu tenho lido bastante. Finalmente!. Estava sentindo muita falta de perder meu tempo, na verdade, ganhar meu tempo, lendo. Este foi o segundo livro que terminei de ler este mês e estou muito empolgada em continuar focando e seguindo neste ritmo.
Este livro é lido muito em cursos universitários, mas na verdade, ele é um livro para a vida, de um modo bem geral.

Resumo: Era uma vez 2 ratinhos e dois homenzinhos que viviam em um labirinto. Estes 4 personagens dependiam do queijo para se alimentar e ser feliz. E eles encontrava o queijo sempre no mesmo lugar, até que um dia o queijo sumiu...






O que eu aprendi lendo este livro, é o que eu já venho aprendendo ao longo da minha vida: mudar é preciso e estar aberto às mudanças é muito importante. Não dá para passar pela vida, achando que tudo será igual. É preciso focar em um objetivo, mas sabendo que no caminho há outros caminhos. Hoje temos algo, amanhã não temos e no outro dia, poderemos ter tudo de novo. E é algo que acontece em todos os campos da vida: profissional, pessoal, familiar, amoroso. 
Quantos vivem em casamentos furados, sem amor, sem nada de bom, simplesmente porquê tem medo de mudar, de não amar novamente. E vivem relacionamentos destrutivos, egoístas e doentios. 
Pessoas que vivem no mesmo emprego anos à fio, sem mudar, sem crescer, sem se profissionalizar por medo, por insegurança e por falta de fé em si mesmo.
E pais e filhos que se destroem e se desrespeitam pelos mais variados motivos, por não enxergarem o crescimento, o desenvolvimento típico de cada um. A mãe não vê que seu filho cresceu e o filho não vê que seus pais tem experiência e mesmo sabendo de muito, mudam.
E assim os relacionamentos vão se destruindo, se sacrificando.
Pessoas que deixam de fazer pequenas mudanças. Não cortam o cabelo; não pintam; não colocam um piercing; não fazem uma tatuagem; não mudam o sofá da sala; nem compram um novo cd; não terminam uma amizade de longa data, mas que já não é a mesma há anos; não fazem francês, árabe ou mandarim; não compram uma bike ou se matriculam em uma academia... Os motivos que levam o ser humano a não mudar são variados e são assustadores. E olha que existe um leque gigante de opções para mudanças né?. 

Refletindo sobre a minha vida, eu relembrei do dia em que saí de casa e que muitas pessoas me disseram que eu ia me ferrar. Que eu ia passar fome, que eu ia precisar de várias pessoas e que estas pessoas iriam me virar o rosto. Eu tive medo?. Claro que tive, quem não tem aquele medo básico?. Agora não vivi dele, muito pelo contrário, olhei para frente, fiz um sacrifício pessoal pelo meu próprio bem, pois eu sabia que seria importante não só para mim, mas para meus pais também.
Com 2 meses de namoro fui morar com meu Marido. Loucura?. Sim, um pouco. Mas eu acreditei. Não fiquei esperando para ver o que ia dar não. Larguei a minha suposta feliz vida de solteira, para encarar um relacionamento super sério e não me arrependo.
Eu já mudei tanto em minha vida, que até me assusto. Já quis ser jornalista, mas virei Secretária; já quis morar fora, hoje quero ser mãe; queria uma tatoo de uma coisa, hoje quero um São Jorge; desfiz amizades que me maltratavam e comecei outras... E por aí vai...
Logicamente, nem todas as escolhas são acertadas. E nenhuma escolha é fácil e nenhuma vida é fácil. Todos somos testados, desafiados, Deus nos coloca vários obstáculos, várias vezes caímos. Mas cada um tem que continuar procurando seu queijo, neste labirinto que é a vida e acreditar que para tudo há um propósito e para cada um está reservado um cantinho cheio de queijos bem gostosos. Agora sempre tenha muito cuidado para não deixar que lhe tirem o queijo!. E se por acaso isso acontecer, olhe para frente, levante-se, não pare nunca!.

Beijos e beijos!

P.S: coloquei a versão do livro em espanhol, pois foi assim que eu li, em espanhol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Me ajude a ser melhor!

Semana 01 de 2018 - Insegurança

E chegamos finalmente em 2018. Meu réveillon foi muito bom. Tive uma crise interna quando cheguei na festa, meio que me achei feia (sim, é ...