segunda-feira, 7 de julho de 2014

O fim documentado

Hoje, 07 de julho de 2014, poderia ser mais uma segunda normal. Talvez ela o seja para você, mas para mim, ficou marcada no papel e na alma como o dia em que eu me divorciei. Parece uma palavra pesada, na verdade para mim ela é assustadora. É como se eu tivesse cometido hoje um dos maiores pecados que uma mulher poderia cometer. Mas ao mesmo tempo sinto um alívio, e antes que você me apedreje, me explico. 
Separar é de fato uma das piores situações que um ser humano, seja ele uma pessoa boa ou não, pode passar. Tenho certeza absoluta, que seja você quem tenha solicitado ou não que a pessoa se retirasse de sua vida, você sofrera em qualquer caso. 
No meu foi primeiro uma decisão sofrida e pedi a separação amando, o que torna tudo mais dramático. 
Mas o alívio veio em seguida quando percebi que ele é muito mais feliz agora. Talvez até mais feliz hoje do que quando casado comigo. A sabedoria consiste ao percebermos que de alguma forma a nossa capacidade de arrancar um sorriso do outro diminuiu drasticamente. Quando você não sente que está sendo um ponto motivador e exemplar na vida do seu parceiro. Quando tudo e qualquer coisa vira motivo de silêncio. Quando você sente que não é mais capaz de fazer o outro feliz. 
Chorei muitas vezes constatando isso. Me culpando. Criando pequenos monstros que me levaram a decisão de deixá-lo livre. E o que me alivia é ver que essa liberdade veio em um momento único. Para mim não há nada mais gostoso do que vê-lo sorrindo, planejando, criando seus objetivos de vida, sonhando. Coisas que eu não via mais no último ano de casamento. Talvez seja por minha causa a infelicidade dele, por isso a sabedoria de deixá-lo ser feliz. Seria muito mais egoísta prendê-lo e vê-lo se perder em seus pensamentos mais profundos. Ele não era feliz e eu sentia isso. 
Ao longo dessa jornada de separar eu ouvi muitas palavras de apoio e consolo. Mas ouvi muitas coisas pesadas. As maiores delas foram que um eu sou doida e que eu nunca mais encontrarei um homem como ele em minha vida. Ah e que eu sou egoísta. 
Claro que ao ler, ouvir e saber destes comentários eu não deixei me abater de fato. Fiquei chateada, mas ao mesmo tempo eu pedi a Deus que essas palavras não invadissem o meu mundo e nem que voltassem para as pessoas que me desejaram mal. O fato é que sim, eu sou louca. Sou tão louca que passei mais de um ano pensando exatamente no que fazer e como fazer, para que não fosse uma atitude infundada e tomada no calor de alguma emoção negativa. E não sou egoísta. Egoísta eu seria se continuasse achando que só comigo ele seria feliz. Se eu continuasse insistindo em algo que estava claramente ferindo um ao outro. Porque nem toda relação precisa terminar em tiro, porrada e bomba. Elas acabam também no silêncio. 
A verdade é que eu tenho certeza que existe por aí uma pessoa que o fará muito mais feliz, que dará amor, carinho e todos os outros sentimentos que ele merece. Porque ele é uma pessoa muito boa. E eu espero em Deus que eu realmente não encontre alguém como ele, mas que eu possa viver minha vida da melhor maneira. Realmente continuo acreditando que casamento é só um e não serei uma pessoa infeliz se nunca mais encontrar um amor. A vida precisa seguir e é exatamente por isso que cada um seguirá a sua com o que merecer. Se eu não merecer um amor, a vida me dará outros tipos de amores para não passar por esta vida sozinha. Assim como meu ex será feliz com uma pessoa super fofa e normal. 
Enfim. Talvez pelo nervoso de toda situação, o texto tenha ficado confuso. Mas eu precisava desabafar. Há seis meses tento resgatar o que me restou como ser humano. E agora não tem mais para onde correr. A vida segue, eu preciso me refazer, me consolar, acreditar em mim. Me sinto aliviada por ter superado o meu egoísmo. E ter tido a coragem de assumir meus erros.
Aproveito para agradecer a quem me apoiou. E agradeço a quem o apoiou. Quem nos ajudou desde o começo. E quem nos ajudou no final. A quem me acha doida, egoísta e até mau caráter. Obrigada a quem olha para mim e entende até porque vez ou outra estou com os pensamentos longe. E obrigada a quem me disse uma vez que um casamento que não dá certo não é o fim do mundo. Essa pessoa me disse que é até uma nova oportunidade que a vida nos dá. Basta fazermos de fato novas escolhas. Talvez não as corretas, mas as que no momento nos realizam.

Beijos e beijos!


Um comentário:

  1. Lindo o seu depoimento, de uma coragem incrível. Voce ama esse homem, por isso o deixou livre. E é assim que as pessoas deveriam ser, assim que as pessoas deveriam agir. A maior prova de amor é essa. Deixar o outro livre para ser feliz e consequentemente te dar o direito de ser feliz também.
    Boa sorte e sejas muito feliz, sozinha ou com um novo amor, não importa.

    Laura

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Me ajude a ser melhor!

10 anos. A pausa.

sexta-feira, 13 de abril de 2007 Novo blog...............aff Sério..........essas formalidades da informática me irritam. havia...