quinta-feira, 18 de abril de 2013

Casamentos felizes - por Andréa Fernandes





O que torna alguns casamentos felizes e outros infelizes? Certamente são as pessoas que fazem parte dele. No começo tudo é lindo e maravilhoso. As mulheres se arrumam, se perfumam, seus cabelos são da moda, bem pintados, bem cortados. As unhas perfeitas. Desleixo jamais.
Daí vem o casamento, os filhos, daí é aquele horror. Salão de beleza só para festas, talvez por preguiça ou para não gastar. A roupa bem velha, camiseta surrada, pronta para a faxina. Cabelo só amarrado ou bem curtinho (não gasta tempo). A turma das amigas se separa. As novas "amigas" são as namoradas e esposas dos amigos do marido. Acaba o romance, um jantarzinho a dois. Tudo passa a ser aquela rotina. Aquele dia-a-dia previsível. Limpar a casa, lavar roupas, louça, fazer o pão, o almoço, o jantar, as conservas. E o tempinho para o romance, só para o casal não acontece mais. Parece que antes do casamento elas tem uma personalidade e depois adquirem outra. Acho que pensam que o casamento dura para sempre, que a conquista já foi feita. A conquista já foi feita, mas também é uma atitude diária de cada um.
Os homens geralmente não mudam. Se tem a turma de amigos, do futebol, da cerveja, do churrasco, mantém. Se são mulherengos, só pioram. Se são egoístas nas tarefas domésticas, só pioram. Se são violentos, só pioram. Mas a sua personalidade não muda. São o que são. As mulheres é que não querem enxergar e sonham um dia que ele vai mudar: "Depois que nos casarmos eu mudo ele". Mentira. Ninguém muda ninguém. Na convivência no dia-a-dia e com os problemas normais do cotidiano, o "verdadeiro" amor é testado. Às vezes aí está a grande diferença. Quando há amor, cumplicidade, amizade tudo se resolve. Como saber se o casamento está fortalecido? Quando enfrentamos um problema sério, grave e que não desestrutura o casamento, apenas serve para fortificá-lo cada vez mais. Feitos uns ajustezinhos aqui, outros ali e o casamento vai ficando cada vez melhor.
Tem também aqueles casamentos que sobrevivem por muitos e muitos anos, mas o que sustenta não é o amor. É o dinheiro, a conveniência, a acomodação, a cobrança da família, da sociedade e até da religião. Só aparência. Mas isto é problema de cada um. Ninguém. Ninguém pode saber o que se passa dentro de quatro paredes. O que acontece com um casal só diz respeito ao casal.
Acredito também que ninguém deve podar ninguém. Não é porque um gosta de determinada coisa que o outro detesta é que devem cortar estes prazeres para sempre. Muitas vezes é preciso ceder. Um cede uma vez e outro na outra vez. Ajudar nas tarefas de casa, cuidar dos filhos. Infelizmente na vida não podemos fazer somente aquilo que gostamos. Se quisermos viver bem com as pessoas ao nosso redor, como na nossa casa e no nosso trabalho, também precisamos fazer aquilo que não gostamos.
A pessoa que escolhemos para fazer parte da nossa vida deveria ser o nosso melhor amigo(a), que podemos amar, contar sempre nas horas boas e más, compartilhar os problemas e as alegrias, fazer conquistas juntos e, afinal, ser felizes juntos!!!


 
Andréa Dias Fernandes
Texto retirado do site Pensador
 
 
Não vou falar muito. Apenas que é no problema maior que encontramos a força maior e sim, ao amar o outro, tudo torna-se menos pesado.
 
E a semana lentamente se vai.
Beijos e beijos infinitos para meu grande amor!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Me ajude a ser melhor!

10 anos. A pausa.

sexta-feira, 13 de abril de 2007 Novo blog...............aff Sério..........essas formalidades da informática me irritam. havia...