domingo, 3 de junho de 2018

31 anos

Ontem eu completei 31 anos como Karla Karina. Todo ano comemoro internamente. Comemoro o fato de que eu tenho uma família boa, honesta e que me deu educação, estudo, uma criação digna e de muito aprendizado. 
Mas o texto de hoje é para você que não acredita em mim. Para você que um dia me derrubou, me humilhou, me disse coisas tão absurdas. Ao longo da minha vida eu fui derrubada tantas vezes, mas nunca me doeu tanto como no dia 10 de março. Desde então eu venho catando os cacos no meu dia a dia. Ainda choro e não porque dou de fato importância ao fato de você ter me derrubado. Mas porque recuperar a fé em mim depois de todo abuso psicológico que vivi durante 4 meses não tem sido fácil. 
Abrir aqui hoje este meu sofrimento não é porque quero chamar a atenção. Acho que estou apenas querendo registrar para você que me acompanha o quanto é complexo viver um relacionamento onde você acredita que seja especial e que no fundo é mais um momento em que você precisa refletir e acordar. Eu estou tendo esta dificuldade, apesar de todo amor que recebo de minha família e meus amigos.
O texto pode ser idiota para você. Mas me dei conta hoje do quanto viver realmente requer tanta energia né? Não sei. Só precisava desabafar. 
Um dia me criticaram por meio que me lamuriar nas redes sociais pela minha vida afetiva que vamos combinar, é uma merda. Mas eu sou assim e é escrevendo que me sinto bem e peço a Deus que você leitor ou leitora, caso esteja passando por algo parecido, consiga acreditar que vai dar certo.
Tem que dar. 
E talvez com este desabafo, eu consiga acreditar ainda mais nos 31 anos da minha adoção como algo realmente importante. E que nada do que me foi dito entre os meses de novembro e março seja capaz de me derrubar completamente. Vencerei por mim. Pela minha linda história de vida. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Me ajude a ser melhor!

Retrospectiva 2018 - Este ano vai ter sim!!!

Ao contrário do ano passado que eu não estava escrevendo devido à uma promessa, este ano eu resolvi fazer retrospectiva sim. E vai ter lamú...