quarta-feira, 13 de junho de 2012

De novo sobre casamento. Nunca é demais!

Me perguntou uma querida amiga, como foi que eu soube que o meu Marido seria o cara. Não soube responder.
Daí ela me perguntou como é possível ter uma convivência com alguém absolutamente macho man: peida, vai ao toilet, tem furúnculos, dores e gripes. Não soube responder.
Daí ela me perguntou se em algum momento eu não olho para algum outro cara e repenso na vida. Daí eu respondi: não me sinto atraída por mais ninguém, desde que vi que Marido seria o meu homem. Mas aí lembrei, eu não sabia qu ele seria o meu homem, lembram?.

Pois é. Conviver é isso. Não há flores perfumadas, nem o jardim é sempre cheio de borboletas. O dia a dia é tenso. São várias diferenças ireeconciliáveis e são vários costumes familiares impregnados na alma.
Mas daí penso: eu o amo e isso é suficiente. E o respeito. E o admiro. E o quero ao meu lado para sempre.
Sim para sempre. Não dá para casar pensando: "ah, qualquer coisa eu separo". Nunca.
Se você resolve se casar por dinheiro, por interesses financeiros ou até mesmo profissional, sem o mínimo de sentimento, nunca vai dar certo.
Para mim também não existe isso de amar com o tempo ou amar por dois.
Ou se está junto na arte do casamento, ou é melhor ficar só.

Me sinto bem. Sou casada com alguém que amo de paixão, mesmo que em alguns dias eu só queira ficar no meu cantinho, mas isso é algo aceitável e até admirável. Sempre é bom que cada um tenha um tempo para si, para sua alma e seus pensamentos.

Me sinto amada, me sinto realizada e cheia de vida para as mudanças que normalmente acontecem dentro e fora do casamento.
Não é fácil, mas é bom demais da gota.
Nunca me arrependi da escolha de entregar meu corpo (lindo por sinal) e meu coração à este homem normal, mas que também é lindo por dentro e por fora.

E você leitora: como encara essa arte que é ser casada?. Alguma dica?. Divida com a gente!

Beijos e beijos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Me ajude a ser melhor!

Casamento Jeff e Carol - 21/04/2018

Se eu soubesse que 2018 seria tão emocionante e feliz, eu teria reclamado menos do pé na bunda que levei depois do Carnaval.  Pois é. Ass...